ACUPUNTURA PRO

by prof. dr. Luiz Carlos Arias Araújo (11) 81191526 (13) 81280393 luizarias@hotmail.com







quarta-feira, 14 de julho de 2010

CRANIOPUNTURA DE YAMAMOTO

Deixamos de falar um pouquinho de I Ching, para abordar, a pedidos, a Craniopuntura de Yamamoto. Esse microssistema foi desenvolvido por Toshikatsu Yamamoto em 1973 e apresenta similitudes e algumas diferenças da Craniopuntura tracicional chinesa. Não entrando no mérito de qualificar uma ou outra, a Craniopuntura de Yamamoto mostra-se especialmente eficaz em vários transtornos neurológicos como por exemplo: sequelas de AVC, mal de Parkinson, Alzheimer, paralisias faciais, tremores, distúrbios da fala e etc.
De um modo geral podemos dividir os pontos de Yamamoto em básicos, sensoriais e cerebrais.

Observe  a representação do corpo humano no cranio, tal como observamos na orella de Nogier. Interessante notar uma representação Yin (porção anterior) e uma Yang (porção posterior).


Os pontos básicos são distribuídos como acima e correspondem a:
Ponto A - coluna cervical
Ponto B - ombro
Ponto C - articulação do ombro, extremidades posteriores
Ponto D - Coluna Lombar, extremidades inferiores
Ponto E - tórax
Ponto F - nervo ciático
Ponto G- joelho
Ponto H - ponto lombar extra
Ponto I - ponto ciático acessorio
Ponto J - dorso do pé
Ponto K - planta do pé


Os pontos básicos possuem representação Yin (anterior) e Yang (posterior)


Abaixo a localização dos pontos sensoriais de Yamamoto

Os pontos sensoriais são muito utilizados para perdas e distúrbios sensoriais, principalmemte associados aos pontos cerebrais de Yamamoto



Acima a representação yang (posterior) dos pontos sensoriais

Os pontos cerebrais, abaixo, possuem ação sobre todo sistema neurológico e são extremamente úteis em sequelas de AVC e outras doenças neurológicas



Outra observação importante de Yamamoto é a associação dos nervos cranianos com os 12 meridianos principais

Yamamoto apoia seu diagnóstico dos  desequilibrios nos meridianos na palpação abdominal


Observe que a palpação deve ser suave, como mostra a foto abaixo
Lembrem-se que a utilização de um microssistema é apenas mais uma ferramenta para o tratamento com acupuntura, e o seu diagnóstico deve sempre levar em consideração os desequilibrios energéticos (excessos e insuficiências), sem isso estaremos apenas resolvendo uma situação sintomática, sem resolver a causa.
Aconselho a todos vocês lerem o Livro do Yamamoto (Nova Craniopuntura de Yamamoto, ed. Roca), tenho certeza que irá engrandecer de conhecimentos o seu aprendizado.

5 comentários:

  1. Muito esclarecedor o texto. Muito obrigada. Suyan

    ResponderExcluir
  2. Excelente materia, passei a estudar e utilizar esta técnica.
    Junior Boiago - educador fisico e acupunturista

    ResponderExcluir
  3. OI LUIZ CARLOS! GOSTEI MUITO DA SUA PUBLICAÇÃO E JÁ ENCONTREI ATÉ O LIVRO. VALEU!!!

    ResponderExcluir